Confira povos indígenas de MT que desenvolvem turismo cultural

 Confira povos indígenas de MT que desenvolvem turismo cultural

Foto: Luzo Reis – Istock

Mato Grosso é um território gigantesco e, nele, muitas aldeias indígenas resistem, junto às suas culturas, há séculos. Em reservas ambientais algumas etnias apresentam um pouco de suas histórias e apresentam as paisagens naturais aos turistas que desejam ter uma experiência inesquecível pelas reservas.

Segundo mapeamento do etnoturismo da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico (Sedec), que divulgado na quarta-feira (4), cerca de 19 povos indígenas de Mato Grosso desenvolvem atividades turísticas em seus respectivos territórios. O mapeamento também mostra que as principais atividades turísticas nas aldeias incluem pesca esportiva, ecoturismo, turismo cultural, etnoturismo e birdwatching – observação de pássaros.

Os povos envolvidos nas atividades turísticas no estado incluem: Apiaka, Aweti, Bakairi, Cinta-larga, Enawene Nawe, Haliti, Ikpeng, Kalapalo, Kamayurá, Karajá, Kawaiwete, Kuikuro, Mebengokre, Nafukua, Paresi, Wuajá (Wauará), Xavante, Kayabi e Yawalapiti.

Confira algumas das etnias onde ficam:

Apiaka

Local: Apiaka do Pontal e Isolados, em Juara, a 690 km de Cuiabá.
Atividade turística: pesca esportiva

Aweti, Kalapalo e Nafukua

Local: Parque Indígena do Xingu, em Canarana, a 838 km de Cuiabá.
Atividade turística: etnoturismo e ecoturismo

Haliti e Paresi

Local: Utiariti, em Campo Novo do Parecis, a 397 km de Cuiabá.
Atividade turística: Etnoturismo, turismo cultural indígena de vivência.

Ikpeng

Local: Parque Indígena do Xingu, em Canarana.
Atividade turística: etnoturismo e ecoturismo

Kamayurá

Local: Parque Indígena do Xingu, em Alta Floresta, a 800 km de Cuiabá
Atividade turística: etnoturismo associado às atividades de caminhadas, trilha, escalada e culinária, assim como turismo de pesca esportiva.

Kawaiwete

Local: Parque Indígena do Xingu, em Alta Floresta
Atividade turística: etnoturismo associado às atividades de caminhadas, trilha, escalada e culinária, assim como turismo de pesca esportiva.

Kuikuro

Local: Parque Indígena do Xingu, em Querência, a 912 km de Cuiabá.
Atividade turística: ecoturismo, etnoturismo, vivência indígena e pesca esportiva sustentável.

Mebengokre

Local: Menkragnoti, em Matupá e Peixoto de Azevedo, a 696 e 692 km de Cuiabá, respectivamente.
Atividade turística: etnoturismo e pesca esportiva

Kayabi

Local: Aldeia Mayrowi, em Apiacás, 1.005 km de Cuiabá.
Atividade turística: vivência e observação da natureza e sítios arqueológicos

Yawalapiti

Local: Parque Indígena do Xingu, em Gaúcha do Norte, a 595 km de Cuiabá.
Atividade turística: ecoturismo, pesca esportiva

Atua com jornalismo cultural e assessoria de imprensa há mais de dez anos em Mato Grosso. Passou por cargos de reportagem e edição em veículos digitais e impressos, além de atuar em web-projetos (como séries e documentários governamentais e do setor privado) como pesquisadora e roteirista. Leitora e escritora literária, com ênfase em contos e crônicas. Hoje, além da empresa Mirella Duarte Assessoria de Comunicação, há quatro anos no mercado, é sócia-proprietária do portal Cuiabá Tem.